17
Jan

PRESIDENTE DA REPÚBLICA DESTACA SECTOR DE HIDROCARBONETOS NA AGENDA GOVERNATIVA DOS PRÓXIMOS CINCO ANOS

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, afirmou que o seu novo Governo, irá prosseguir, na área dos hidrocarbonetos, com acções visando viabilizar a exploração sustentável das reservas de gás natural, assegurando a conclusão do projecto da plataforma flutuante que tornará Moçambique produtor e exportador de gás natural liquefeito”. “Vamos igualmente, facilitar a construção das primeiras quatro unidades de liquefação em terra”, reiterou o Chefe de Estado.

Para o Presidente da República, estes projectos irão fornecer alicerces para o desenvolvimento industrial e a criação de oportunidades de emprego em escala, para além de constituir uma oportunidade para a promoção dos conteúdos locais.

“O meu governo estará empenhado na implementação de unidades da indústria petroquímica para a produção de metanol e outros combustíveis derivados assim como a produção de fertilizantes, a par do desenvolvimento de centrais de geração de energia eléctrica, que deverão estar operacionais em finais de 2024”, disse Filipe Nyusi.

Num outro desenvolvimento, mais ainda se debruçando sobre o posicionamento do sector de hidrocarbonetos na agenda governativa que ora se inicia, Filipe Nyusi referiu que a aposta do Governo, passa pela implementação da primeira unidade de produção de GPL (gás de cozinha) no País, em Temane. Disse a propósito, o Chefe de Estado que será assegurado no presente quinquénio que 60% do volume actualmente importado seja substituído pela produção nacional.

Entretanto, o Chefe de Estado exortou, no seu discurso de investidura, os moçambicanos a “ gerir as suas expectativas com alguma dose de paciência, porque os Cofres do Estado levarão algum tempo para acolher receitas provenientes dos hidrocarbonetos na dimensão prevista”. O Chefe de Estado alertou ainda que as experiências negativas de outras geografias recomendarem “maior prudência e transparência na gestão deste tipo de recursos, de modo a beneficiar a todos moçambicanos e a economia moçambicana”.

Trata-se efectivamente de directrizes importantes cujo processo de implementação a ENH deverá assumir um papel preponderante, na qualidade de braço comercial do estado para o sector de hidrocarbonetos, adensando desafios e responsabilidades à empresa.